Um novo projeto no forno…

Padrão

Do momento em que se diz OK! Nós vamos!

Dizem que toda a viagem começa com o primeiro passo, particularmente, acho que começa com um sonho. Clichê né? Concordo, mas, nem por isso deixa de ser verdade. Você começa a se imaginar tomando um gelatto em frente ao Coliseu, mergulhando em praias Gregas paradisíacas, dá uma pesquisada na internet, vê um filme. Aí começa aquela inquietação, como se houvesse algo chamando por você, você percebe que existem culturas totalmente diferentes da sua, e que o mundo é grande demais, lindo demais, vivo demais para que você fique somente na mesma vizinhança.  Você se controla, tenta por os pés no chão, olha seu contracheque, seu orçamento e o valor das passagens aéreas. É… não tenho como pagar, e quando essa vontade fica insuportável, meu amigo é porque já era. Você foi fisgado e não há retorno! A partir do momento em que se abre os olhos para o novo, nunca mais você poderá fecha-los. O problema é que sonhar não te leva a lugar nenhum, se não houver aquele ponto onde se diz: Ok! Nós vamos! Caro amigo, ficará apenas no sonho.

Para quem não nasceu nem perto do berço de ouro como eu, a distância entre o sonho e o OK! é diretamente proporcional a sua força de vontade. Aí começa a nossa história, sobre como cheguei ao meu primeiro mochilão.

Anúncios

Mas nem sempre a gente consegue…

Padrão

Não tenho postado nos últimos dois anos, sempre que eu vinha escrever eu lia o sub-título: “Ser feliz é uma obrigação”, e isso me barrou, pois eu não tinha coisas muito alegres a escrever, não que tenha sido dois anos completamente ruins, na verdade, algumas das coisas mais incríveis que eu vivi dividiram espaço com as maiores frustrações e tristezas, um mix exaustivo de emoções intensas.

12:10 do dia 22 de Dezembro eu fui demitida pela segunda vez antes dos feriados de final de ano, antes dos feriados, eu uma pessoa supersticiosa, bom estou arrasada. eu amei o meu emprego, eu  era muito boa no que eu fazia.

Sinceramente, quando eu começo a pensar em 2013 e 2014 vem um turbilhão eu eu demoro a organizar meus sentimentos e pensamentos para escrever e justamente por isso não consigo desabafar, fica tudo fora de sentido.

Nestes anos, eu redescobri traços da minha personalidade, descobri que eu me odeio, descobri que meus sonhos mirabolantes podem nunca se tornar realidade pois eu fiz escolhas. Cada escolha é uma bifurcação e nos leva por caminhos diferentes, neste momento  é como se eu estivesse em uma encruzilhada rotativa e nublada, todos os caminhos estão rodando e quando eles passam devagar eu não consigo ver adiante.

Sou uma pessoa de planos, a cada novidade repenso meus planos, reformulo, recalculo.

Agora não consigo ver nada, não sei pra onde ir, ou o que fazer.

Me sinto cansada, cansada de tentar, de imaginar, de sonhar, de crescer, de estudar, de plantar, de recalcular a rota, de me frustrar, me cair, de voltar a estaca zero, de ouvir que eu não sou uma boa pessoa, que eu não sou boa para fazer as coisas que eu queria fazer, de ficar doente de stress e ansiedade, de estar sempre no olho do furacão.

Cansada das mil vontades e da mil impossibilidades, de tentar ver um jeito de as coisas darem certo.

CHEGA, CHEGA, CHEGA, CHEGA, CHEGA, CHEGA, CHEGA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

A minha vontade nesse momento, é exatamente que 2014 fosse algo físico o qual eu pudesse quebrar e gritar com. Sabe

aquele grito que parece que a sua alma sai pela boca? Que dói, mas alivia? Pois é…

Não dá, hoje é ano novo, é uma dia de ficar feliz e ter esperanças que o ano que entra serão malditas 365 possibilidades de ser feliz, para conseguir, recomeçar, tentar de novo.

FODA-SE. CANSEI.

DE SER ESPERANÇOSA, DE SER SENSATA DEMAIS, DE SER COMPREENSIVA. DE CORRER ATRÁS, DE QUERER TENTAR, DE TENTAR ENTENDER PORQUE.

FODA-SE.

yeah

Padrão

Ineficiente, irresponsável, não gosta de ouvir as idéias de ninguém, não consegue trabalhar com ninguém, o problema é contigo tu tem que te tratar… como é bom se sentir amada!

Padrão

“Me remexo, troco o peso de uma perna para outra
Sinto todo o corpo, cada músculo trabalhando,
Toque, suave, contornando as curvas
Estremeço, visualiso
Reparo na anatomia,
Anatomia que sempre me instigou
Os limites do corpo, as formas, os movimentos.
Elástica, rija. Versátil, voraz.
Articulação, engrenagem, encaixa na minha.
Como um relógio perfeito, como uma orquestra bem ensaiada.
Sensações, peso, leveza.
Acompanho com os lábios o vincos dos braços,
Estremeço quando a mão me puxa. Ah! mãos!
A firmeza com que estudam a anatomia minha, lenta e demoradamente.
Que faz-me redescobrir sabores e tons.
Os limites e movimentos do corpo que não é mais meu
Dor… de leve, mansa, arrepio, peso.
Me vira do avesso a alma, e entende de mim o que a anatomia te diz.”

Bruh Oliveira

Hora de ir…

Padrão

Imagem

 

Primeiramente, desculpe pela ausência. 4 meses sem escrever, não foi exatamente por acaso ou desleixo. 

Como panorama geral somente da parte que mais interessa, após ser demitida da vaga dos meus sonhos  e pesadelos, eliminei meu orgulho e aceitei a minha bolsa de estágio de volta, por dois meses, estes os quais eu não precisaria ir a escola e sim trabalhar em casa. Beleza assim dá. Mas a renda não era suficiente e a falta de perspectiva e segurança financeira estavam me enlouquecendo. Me deixei abater de tal forma que não parecia a mesma pessoa, ganhei muito peso, um semblante carregado e lágrimas que teimavam em vir mesmo quando eu não as queria lá e com muita vergonha admito deixei de acreditar na minha capacidade.

Experimentei um dos períodos mais conturbados, perdidos, sem sentido e tristes que já experimentei. Daqueles que de destrói e reconstrói saca? Não é sobre isso que eu vim escrever.

E sim sobre a reinvenção, sobre 2014 e o friozinho que eu estou sentindo na barriga.

Depois de muitas oportunidades muito ruins de trabalho temporário apareceu uma boa e um estágio interessante. Ambas no mesmo dia. Ai veio a dúvida, pego uma vaga de um mês no litoral ou pego um estágio sensato, na minha área profissional, que me dará experiência e uma salário quase razoável.

Bom, foi ai que veio a tal reconstrução. Pensei em aceitar a primeira pois passei um mês apavorada pela falta de segurança financeira como se nunca mais eu fosse colocar o orçamento em dia e nunca fosse aparecer um outro bom emprego. Quem era essa pessoa? Essa medrosa? Aquela não era eu. Essa pessoa, que tinha receio de sair sozinha, que não fazia loucuras pra realizar viagens e momentos que a fizessem se sentir dona dela mesma, aventureira. Não me entendam mal, tenho uma vida maravilhosa, com pessoas maravilhosas mas o que faltava era aquele pouco de mim, eu era uma pessoa estável, segura e feliz, mas não era inteiramente eu. Eu deixara de ser chama para ser brasa.

Havia no meio do caminho alguns desejos, que eu ainda não havia realizado, por covardia, por ter outra opção. Eu sempre quis morar sozinha por algum pouco tempo, sai da segurança da casa da minha mãe para enfrentar esse mundão com a segurança do meu marido um baita parceiro na verdade. 

Estou empolgadíssima em ir trabalhar por um mês na praia, me sinto uma mochileira engatinhando de novo. Vou trabalhar para me manter na praia, pagar as contas e pra pagar diversão nos finais de semana. Talvez eu não consiga expressar através como me sinto ou porque isso está sendo tão importante pra mim, provavelmente porque minha cabeça está a mil, pula de ideia em ideia e nada concatena, faço listas do que levar e no meio delas onde quero ir ou o  que vou comer. faço cálculos e planos e me pego rindo sozinha.

Ainda não sei como será, e isso é uma sensação maravilhosa. Saber que o Edu estará lá nos finais de semana é acalentador pois sentirei uma falta absurda dos carinhos, das nossas piadas, do meu maior parceiro.

Talvez o texto esteja com ideias desconexas, mas bom, eu também estou, desconexa e num turbilhão emocionado de sensações libertadoras.

Até!

Nota

 

resenha retirada do Skoob do Vinícius

A maturidade que faltava.
Apesar de ter encomendado minha edição de “A Casa de Hades”, eu não resisti ao e-book e logo baixei pra ler. No momento em que escrevo essa resenha acabo de terminar a leitura do livro, e só tenho algo a dizer.

Este é o melhor livro de Rick Riordan e o ápice de sua escrita.

A usuária Arlequina_Luzy brilhantemente apontou em sua resenha: “Não é segredo pra ninguém que lê o tio Rick que o cara tem uma formula: missão terrível, tempo curto, profecia, monstros a torto e a direita, uma aparição divina ou outra e claro piadinhas dos personagens em face da morte iminente.” Ainda assim somos inteiramente sugados para as aventuras dos personagens e não deixamos de torcer e nos emocionar, frente a uma leitura de fácil digestão e que nos inteira bastante sobre a maravilhosa mitologia greco-romana.

Em muitos aspectos A Casa de Hades supre as deficiências de seus anteriores. Cada livro anterior foi visto sob a ótica de três personagens (o 1º e o 2º) ou quatro (o 3º). Aqui todos os sete semideuses da Grande Profecia tem espaço nas narrações. Através de Percy e Annabeth conhecemos o cruel e sombrio Tártaro, e são várias as passagens em que nos angustiamos com o que passam. Apesar disso eles encontram personagens maravilhosos, especialmente Bob, um titã que já tínhamos visto em “Os arquivos do semideus”. Sua presença e suas atitudes são certamente um dos pontos mais fortes do livro, e é impossível não se emocionar com ele. Quem leu, sabe do que estou falando.

Na superfície temos os demais personagens – Frank, Leo, Piper, Hazel, Jason, Nico e o treinador Hedge – em sua missão para chegar às Portas da Morte. É aqui que faço minhas desculpas. Porque com exceção de Leo nenhum dos novos semideuses me parecia realmente interessante. Mas aqui todos se destacam, sem exceção. Rick dá a cada um um momento para brilhar, seja com uma importância dentro da missão, seja com sua narrativa. É certamente um tapa na cara de muita gente, eu incluso.

O livro é intenso do início ao fim, com muitas cenas de ação como já é de se esperar. Felizmente elas não tem tanto daquele fator “bobalhão” dos livros anteriores, o que é algo pelo qual sou grato. Por favor, lutar com camarões é ridículo. Apesar da aparente invencibilidade desses semideuses, ainda assim você torce pra que ganhem as lutas. Mesmo assim o livro ainda oferece momentos de calmaria, como a sequência de Leo em Ogídia. Um dos melhores momentos do livro, que não só faz conexão com PJO (há várias ligações com a primeira série no livro) como dá um interesse amoroso ao garoto. Foi um momento bastante “own”.

A grande surpresa do livro – e que certamente representa um ponto de viragem pra série e um incrível ato de coragem do Tio Rick – advém de Nico di Angelo. Confesso que nunca entendi essa babação de ovo pra cima dele (nunca foi um dos meus favoritos), mas dada a minha preferência por personagens “cinzas” (ressaca pós-As Crônicas de Gelo e Fogo) ele certamente ganhou minha atenção, por ser o personagem da série que se aproxima dessa estética (o Octavian também, mas ele é um merdinha). E a revelação do seu grande segredo (divulgado às massas pela internet) é realmente chocante, mas de certa forma até compreensível, ainda mais se olhar pros livros anteriores, pras “pistas” que eles dão. Um momento polêmico, e que certamente será muito discutido. Mas como eu disse, um ato de ousada coragem do Tio Rick.

Enfim, dói saber que essa série já acaba no ano que vem. Creio que o último livro superará este, o que é uma tarefa difícil (já que este foi quase perfeito) e fácil (já que é a grande batalha final e creio que Rick não decepcionará). Agora vou esperar meu exemplar chegar e relê-lo.

A Lua hoje estava acompanhada !

Imagem

A Lua encobriu o planeta Vênus e encantou aqueles que puderam apreciar o fenômeno, Por volta das 19 horas deste domingo (8), logo após o pôr do sol. Um espetáculo à parte da natureza.
Nosso satélite natural ficou com um tom de cinza logo abaixo dela foi possível ver a estrela Espiga (ou Spica), que faz parte da constelação da Virgem.
“Essa estrela tem importância histórica, pois é mostrada na bandeira brasileira acima da faixa Ordem e Progresso representando o Estado do Pará”, disse Jair Barroso, do Observatório Nacional.
O planeta Vênus, o mais brilhante do nosso céu, desde meados de julho vem aparecendo nos fins de tarde e nesta noite ficou totalmente escondido pela Lua.
Quem estava sabendo do fenômeno e acompanhou desde minutos antes das 19h, pôde testemunhar a evolução do fenômeno. Em seguida, Vênus foi visto novamente, reaparecendo no lado iluminado da Lua.
O astrônomo João Batista Garcia Canalle, coordenador da Olimpíada Brasileira de Astronomia Astronáutica (OBA), disse que Vênus não é o único astro possível de ser observado no céu noturno atualmente.
“Desde o mês passado, temos visto Saturno transitar pelo nosso céu. E no dia da ocultação, ele estará a cerca de 10 graus acima de Vênus e da Lua, quase em linha com Spica”, disse Canalle.
Nesta segunda-feira (9), na mesma região do céu ao escurecer, será possível observar, de baixo para cima, a estrela Espiga, Vênus, a Lua e o planeta Saturno, afirmou o astrônomo.

Vênus, como sabem é regido pela Deusa Vênus, o nome romano da Deusa Afrodite. Vale então fazer uma oração à ela no dia em que resolveu nos dar um oi!

Amada Afrodite,
Deusa do amor.
Bela Deusa que à todos encanta
com o seu fascínio e beleza.
Hoje e sempre honro e reverencio a ti,
amada Deusa.
Deusa do mais puro amor, que se manifesta
em tua verdade plena, sem máscaras ou véus.
Me acalenta neste teu mar de amor.
Abençoa a minha alma.
Cura as minhas feridas de agora e de outrora.
Liberta meu ventre da dor, o envolvendo com
o seu mais puro amor.
Alimenta meu coração com a tua chama rosa, de
amor infinito.
Cura a imagem que tenho de mim mesma para que eu
me veja bela e liberta de todo medo e dor.
Cura a minha voz, para que ela seja profundamente
amorosa, e para que eu diga, as minhas verdades de
forma clara e repleta de amor.
Cura todas as minhas memórias em amor.
Cura a minha vida em teu amor.
Amada Deusa.
Que o meu feminino seja revigorado e embalado no
bálsamo da tua energia tão envolvente e amorosa.
Amada Mãe do amor… Esteja comigo, seja em mim,
por mim e através de mim…
Que a luz venusiana me envolva e irradie em minha vida,
em meu caminhar.
Afrodite Amor, tira do meu ser todas as marcas e julgamentos
que impedem a manifestação plena do meu feminino e do meu ser
pleno…
Amo-te Afrodite.
Amo a quem você é, portanto, amo a mim mesma.
E em nome do amor, me comprometo a levar a tua luz,
as tuas palavras e teu nome a tudo e a todos diariamente
em minha vida..
Gratidão Afrodite.

Gratidão!

Ciranda Da Lua